LAMARTININDO

Lá pelo começo dos anos 1930, a grande novidade, aqui em Pindorama, era o cinema falado. A língua inglesa e a música norte-americana viraram moda nos meios artísticos e sociais do Rio de Janeiro, e nossos compositores, inspirados por essa invasão, criaram dezenas de canções satirizando a onda:

Good-bye, de Assis Valente, cantado por Carmen Miranda com o Lalá: https://www.youtube.com/watch?v=ud2rVcnzdDI

Não tem tradução, de Noel Rosa, revivido pelo saudoso João Nogueira: https://www.youtube.com/watch?v=523UwOiEna8

GENIAL! Obra-prima do non-sense – CANÇÃO PARA INGLÊS VER, com o Lalá – IMPERDÍVEL: http://www.youtube.com/watch?v=USCS_EWv30g

A letra tá aqui embaixo!

Nesse endereço se encontra, em “365 Canções”, uma excelente análise sobre a Canção para inglês ver: http://365cancoes.blogspot.com/2010/11/310-cancao-para-ingles-ver.html

Johnnie Phillippe Canaud

MAGREZA


• Dizia frequentemente que era tão magro que seu pijama só tinha uma listra.

• Lalá era magérrimo, desses que quando vira de perfil a gente pensa que foi embora, esquelético.


• Uma vez apresentado a um fã por um outro fã: – Esse aqui é o grande Lamartine Babo, compositor de Rancho Fundo:- Exagero doutor, só em osso…

• Apresentado por um amigo a um admirador:- Este é o Lamartine Babo em carne e osso. E Lalá:- Exagero, exagero. Em osso só. Em osso só.


• Ao chegar a uma esquina, contava, ouviu dois cachorros conversando e olhando para ele: – Se for para a direita, é seu; se for para a esquerda, é meu.


• Lalá dizia que era tão magro que não dava fotografias às minhas fãs; dava radiografias.


Numa entrevista publicada em agosto de 1936:- Eu me achava um colosso. Mas um dia, olhando-me no espelho vi que não tenho colo, só tenho osso.


• Uma ocasião, encomendando uma caixão para um amigo que acabara de falecer, ouve do dono da funerária : – O senhor quer que mande o caixão para casa ou o senhor já vai dentro ?


• Ao anoitecer, saindo do cemitério, Lalá, magrinho, feio e desdentado, o porteiro fala: – Fugindo, hein !?!


• Uma ocasião, ao entregar um telegrama no guichê dos Correios reparou que um dos funcionários batia com o lápis, em código Morse, para o colega referindo-se a ele: – Magro e feio… E o Lalá, pega o lápis, e bate também em Morse:- Magrinho, feio e ex-telegrafista !

CELIBATÁRIO

• Lamartine foi presidente do Clube dos Solteirões, associação que reunia os celibatários persistentes, mas, ele era casado (!) e apaixonado pela sua esposa, dna. Maria José Santos Barroso. Sobre o seu casamento dizia, carinhosamente, que, não era um matrimônio e sim um patrimônio.

Matrimônio, matrimônio: isso é lá com Santo Antônio

TOM JOBIM

• Ao ser comunicado que a entrevista que dera a um telejornal, daria lugar a cobertura da chegada de Tom Jobim dos Estados Unidos, Lalá questionou: – Quer dizer então que na verdade eu estou um tom abaixo?

HOMENAGEM PÓSTUMA


“Não quero busto quando morrer, prefiro ser vivo e robusto”.

Forget not me!


Edgard Poças

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *